GARANTIMOS MAIS QUE LOGÍSTICA

Head Office +55 11 5908 4050

Blog MAC Logistic

Brasil desperdiça R$ 100 bi em logística

6-06-2018

O empresário Guilherme Quintella lidera desde 2013 o projeto da Ferrogrão, a ferrovia de mil quilômetros que ligará o Mato Grosso aos portos do Pará, reduzindo o custo logístico do agronegócio de Mato Grosso.

Na Ferrogrão, sua Estação da Luz Participações (EDLP) é sócia das trading companies ADM, Amaggi, Bunge, Cargill e Louis Dreyfus, que, juntas embarcam mais de 85% dos grãos exportados pelo Brasil e devem construir e operar a ferrovia. 

Quintella também é o único brasileiro no board da International Union of Railways (UIC) que vai se reunir em Paris daqui a um mês para discutir o futuro da ferrovia no planeta. Ele conversou com o Estado de Minas.

A greve dos caminhoneiros fez a sociedade lembrar que o Brasil ignora as ferrovias. Como aproveitar este momento?

É claro que o Brasil precisa de mais ferrovias, mas isso não pode ser uma resposta intempestiva a um evento. Usar a greve para propor uma resposta imediatista sobre ferrovias é voltar aos erros do passado. Vou dar alguns exemplos: em 2007, quando tivemos o acidente da TAM em Congonhas e os aeroportos brasileiros pareciam que não iam mais dar conta do recado, saímos querendo fazer um trem de alta velocidade entre o Rio e São Paulo, além de construir e ampliar os aeroportos.  Outro movimento intempestivo foi quando o governo, por conta da crise do subprime de 2008, criou o PSI (Programa de Sustentação do Investimento), que financiava 100% de caminhões e trens com taxas fixas em torno 2%. O trem de alta velocidade não partiu, os aeroportos não conseguem decolar e a farra do PSI, que quase quebrou o BNDES, não fez com que as ferrovias avançassem.

O que precisa ser feito para termos mais equilíbrio entre os modais de transporte?

O Brasil precisa de mais planejamento. Se planejássemos mais, teríamos mais ferrovias, mais cabotagem, melhores rodovias, mais produção, mais consumo, coletas, transferências e distribuições mais eficientes, menos trânsito, menos acidentes, mais respeito ao meio ambiente, e até mesmo caminhoneiros mais bem remunerados.

Quanto custa ao Brasil não ter ferrovia?

É caro. Custa US$ 100 bilhões por ano. A logística custa 15% do PIB do Brasil, contra 8% nos Estados Unidos A média mundial é 10%. Ou seja, o Brasil desperdiça algo como 5% do PIB com a ineficiência logística, em grande parte por privilegiar modos de transporte menos eficientes. Com este valor desperdiçado, poderíamos construir a cada ano 37 mil quilômetros de ferrovias de carga, ou 7 mil quilômetros de trens intercidades que andariam a 200 km/h.

Quando o Brasil desistiu das ferrovias?

Foi logo depois da Segunda Guerra Mundial. A cultura do automóvel tomou conta do mundo, muito influenciada pelos Estados Unidos. Houve também incentivos. À época, o Banco Mundial só financiava a construção de novas rodovias se em contrapartida o governo brasileiro erradicasse trechos ferroviários existentes. Repare que este fenômeno não ocorreu em nenhum outro país do mundo. Todos eles impulsionaram os dois modos de transportes.

O empresário geralmente reclama do custo logístico, mas o assunto ferrovias é muito pouco discutido. Por quê?

Porque as pessoas, de modo geral, não percebem que este desperdiço é seu. Que é o cidadão que desperdiça o seu salário quando ele paga 5% a mais, por exemplo, do que poderia pagar pelo rolo de papel higiênico se o país tivesse uma matriz de transporte mais equilibrada. Muitas vezes imaginam que este problema é da indústria, da agricultura, do comércio, esquecendo que eles repassam o custo para os preços dos seus produtos.

Como estão as discussões com o governo?

Brasília não deixa de ser um grande símbolo do abandono gradual das ferrovias no Brasil. É a única capital importante do planeta que não tem uma monumental Estação Ferroviária. O investimento público em transporte no Brasil alcançou 2% do PIB em meados dos anos 1970, e desde então só caiu. Em 2017, foi de apenas 0,16% do PIB. Já que o governo não tem capacidade para investir, ele deveria concentrar sua agenda de curto e médio prazo em duas frentes para atrair capital privado para os projetos, especialmente o capital estrangeiro.

Que frentes são essas?

Primeiro, planejar um programa robusto de ações e investimentos que faça com que o Brasil reduza em 30% os seus custos logísticos, para que possamos alcançar a média mundial. Segundo, concentrar esforços para que o país possa desenvolver ações e regulamentações, ou desregulamentações se for o caso, que possam proporcionar viabilidade aos projetos que estão nas prateleiras e que precisam de investidores privados.

Quem deveria coordenar estas ações?

O Brasil deveria ter uma visão de Estado para o relatório “Doing Business” do Banco Mundial, que todo ano analisa as leis e regulações que facilitam ou dificultam as atividades das empresas em 190 países. O Brasil está em 139º lugar no ranking de competitividade internacional, onde entram as questões de logistica? e transportes. O investidor de infraestrutura precisa de previsibilidade, e esta deve ser uma discussão mais tecnica? do que política

Como a UIC pode ajudar o país a avançar em ferrovias?

A UIC tem muito a colaborar. Desde a sua fundação, em 1922, ela acumula uma quantidade enorme de conhecimento, que foi transferido para milhares de padrões operacionais, de segurança e outros, mas penso que a solução dos nossos problemas está aqui mesmo no Brasil, e aí eu volto ao tema do planejamento.

Fonte: EM

Artigos Relacionados: Portarias vão regular investimentos portos brasileiros Presidente da Codesp pede descentralização dos portos brasileiros Overbooking" afeta exportação em contêineres do Brasil no 2º semestre, diz Maersk Portos brasileiros contarão com banco de dados para acompanhar preços Movimentação de cargas em portos brasileiros cresce 8,5% em 2017 Produtos manufaturados brasileiros têm participação residual de 0,61% no comércio mundial Brasil precisa investir R$ 25 bilhões em portos até 2040, informa estudo da CAF Governo prepara mais um plano para tentar reduzir os gargalos da logística Setor de transporte e logística ganha banco de dados digital O momento de fixar a marca Brasil no coração dos russos
logistica Desperdicio

mac-logo-pos

   

       

Conheça o grupo MAC Logistic! Ficaremos honrados em atendê-los e principalmente, apoiar o desenvolvimento dos seus negócios, através de projetos logísticos customizados.

   

OFFICES

    Brazil - Head Office (55 11) 5908-4050

    Florida Office +1 305 436-5141

    Vitória Office (55 27) 2122-1777

   maclogistic@maclogistic.com

CÂMBIO

       

As operações da Mac Logistic são regidas pelas Condições Gerais de Negócios registradas no 2º Cartório Oficial de Registro de Títulos e Documentos de São Paulo sob o número 3612634.