GARANTIMOS MAIS QUE LOGÍSTICA

Head Office +55 11 5908 4050

Blog MAC Logistic

Dólar sobe e fecha a R$ 4,13, de olho nas relações entre EUA e China

26-08-2019

Após abrir em queda, o dólar fechou em alta nesta segunda-feira (26), com os mercados ainda cautelosos e com os investidores de olho nos desdobramentos da guerra comercial, após o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, amenizar o tom da disputa com a China.

A moeda norte-americana terminou o dia em alta de 0,29%, a R$ 4,1369. Na máxima, a a cotação chegou a R$ 4,1629, renovando patamares que não eram atingidos desde setembro do ano passado. Veja mais cotações.

Já a Bovespa operava em queda, ao redor de 96 mil pontos.

Na sexta-feira, o dólar encerrou a sessão em alta de 1,13%, vendida a R$ 4,1250 – maior valor desde 19 de setembro do ano passado (R$ 4,1267). No mês, a moeda acumula alta de 8,34% e, neste ano, de 6,78%.

Tensão entre EUA e China

Os Estados Unidos e a China buscaram aliviar as tensões sobre a guerra comercial nesta segunda-feira, com Pequim pedindo calma e o presidente norte-americano, Donald Trump, prevendo um acordo depois que os mercados recuaram em resposta a novas tarifas de ambos os países.

Trump disse acreditar que a China quer fazer um acordo comercial após o país asiático entrar em contato com autoridades comerciais dos EUA durante a noite para dizer que quer voltar à mesa de negociações. Quando perguntado se poderia adiar as tarifas planejadas para os produtos chineses, respondeu: "Tudo é possível".

A tensão entre as duas maiores economias do mundo se intensificou na sexta-feira, com ambos os lados adotando mais tarifas sobre as exportações um do outro. Trump anunciou uma taxa adicional sobre cerca de US$ 550 bilhões de produtos chineses, horas depois de a China divulgar tarifas retaliatórias sobre US$ 75 bilhões em mercadorias dos EUA.

Para Italo Abucater, gerente de câmbio da Tullett Prebon, o dólar agora passa a operar em linha com seus pares emergentes, já que, apesar do alívio momentâneo dado pelas declarações, o cenário ainda é de cautela.

"O dólar operar em alta diante do cenário externo mais incerto faz muito mais sentido. Todos sabem que essa conversa de uma resolução próxima da guerra comercial é papo e que a tendência é que isso se estenda por um período indeterminado", disse à Reuters.

Para Camila Abdelmalack, economista-chefe da CM Capital Markets, o sentimento de cautela permanece de pano de fundo, já que o cenário de mudanças bruscas de posicionamento de ambos os lados já se mostrou comum.

"Esse evento vai influenciar o mercado por um prazo indefinido, então sempre vai ter uma cautela. Por agora, está tudo tranquilo, mas amanhã as coisas podem mudar", disse à Reuters.

Atuação do Banco Central

Na cena doméstica, o BC vendeu todos os US$ 550 milhões em moeda física e negociou ainda todos os 11 mil contratos de swap cambial reverso ofertados – nos quais assume posição comprada em dólar.

Na semana passada, o Banco Central anunciou a programação de leilões de venda de dólar à vista ao longo do mês de setembro, em operações que podem somar US$ 11,6 bilhões.

Ao garantir ao mercado a intenção de continuar a trocar swaps cambiais por dólar à vista, o BC reduz a incerteza sobre o objetivo de aumentar a liquidez no mercado, cuja escassez de moeda tem sido um dos motores para a força recente do dólar.

A projeção do mercado financeiro para a taxa de câmbio ao fim de 2019 foi elevada de R$ 3,78 para R$ 3,80 por dólar, segundo boletim Focus do BC, divulgado nesta segunda. Para o fechamento de 2020, permaneceu em R$ 3,81 por dólar.

Economia estagnada

Na cena local, o destaque da semana é a divulgação do PIB oficial do segundo trimestre, que será conhecido na quinta-feira. "Embora o número esperado seja muito baixo, a maior parte dos economistas não espera um PIB negativo no período – o que, se for confirmado, afasta ao menos por ora a temida recessão", destacou a Azimut Brasil em relatório.

Os analistas do mercado financeiro reduziram a estimativa de alta do PIB em 2019 de 0,83% para 0,80%, segundo boletim Focus do Banco Central divulgado nesta segunda.

Fonte: G1

Artigos Relacionados: Tufão atinge navio vindo da China para o Brasil e causa queda de contêineres no mar Parceria comercial entre Brasil e Japão pode sair ainda este ano Dólar cai para R$ 3,97 e fecha no menor valor em duas semanas Brasil e China concordaram em reforçar intercâmbios Dólar fecha em alta e se aproxima de R$ 4 com guerra comercial e Previdência no foco Dólar avança e fecha a R$ 3,93 Dólar fecha quase estável ante real nesta 6ª, mas tem maior mensal desde agosto de 2018 Dólar avança e fecha na casa dos R$ 3,83 reais na volta do Carnaval Dólar recua ante real com apetite a risco em meio a expectativas sobre negociações EUA-China Dólar recua ante real com otimismo sobre Previdência e negociações EUA-China
economia dolar cambio BlogdaMac MercadoFinanceiro BolsadeValores

mac-logo-pos

   

       

Conheça o grupo MAC Logistic! Ficaremos honrados em atendê-los e principalmente, apoiar o desenvolvimento dos seus negócios, através de projetos logísticos customizados.

   

OFFICES

    Brazil - Head Office (55 11) 5908-4050

    Florida Office +1 305 436-5141

    Vitória Office (55 27) 2122-1777

   maclogistic@maclogistic.com

CÂMBIO

       

As operações da Mac Logistic são regidas pelas Condições Gerais de Negócios registradas no 8º Cartório Oficial de Registro de Títulos e Documentos e Civil de Pessoa Jurídica da Comarca de São Paulo sob o número 1483284.