GARANTIMOS MAIS QUE LOGÍSTICA

Head Office +55 11 5908 4050

Blog MAC Logistic

Paranaguá sai na frente em descentralização portuária

25-02-2019

O porto de Paranaguá (PR) tomou a dianteira e apresentou, no Ministério da Infraestrutura, o primeiro pedido formal de descentralização de competências para administrações portuárias.

A solicitação, que foi protocolada há duas semanas, busca maior autonomia para a gestão local. Ela se baseia em uma portaria editada no dia 26 de dezembro e mantida pelo novo governo.

O objetivo da medida é delegar mais atribuições às administrações portuárias com bom desempenho em indicadores financeiros, contábeis, de transparência administrativa, regularidade tributária e trabalhista, manutenção dos acessos aquaviários.

A Lei dos Portos (12.815) de 2013 transferiu para a União responsabilidades que antes cabiam às Companhias Docas e administrações estaduais, como o desenho para arrendamento de terminais. Esse foi um dos trechos mais polêmicos da nova legislação e sofreu oposição de vários governadores na época, que reclamavam da concentração excessiva de decisões em Brasília.

Cinco anos depois, a portaria 574 do antigo Ministério dos Transportes criou um "Índice de Gestão da Autoridade Portuária", o IGAP, que mede 15 diferentes indicadores de desempenho.

Conforme explica o secretário nacional de Portos, Diogo Piloni, uma nota acima de 6 pode dar às administrações portuárias o direito de elaborar editais, realizar licitações para o arrendamento de terminais e fiscalizar a execução dos contratos. Quem obtiver nota acima de 8 poderia ainda fazer o reequilíbrio econômico dos contratos, negociar prorrogações antecipadas mediante novos investimentos e deliberar sobre expansão da área arrendada.

"Tudo isso está alinhado à lógica de descentralização de poder", diz o secretário. Para ele, as atribuições dadas à União pela Lei 12.815 até faziam sentido inicialmente para uniformizar processos de arrendamentos portuários e consolidar um novo marco regulatório no setor, mas são insustentáveis no longo prazo. "O modelo internacional de sucesso é de autonomia na gestão", afirma.

Na avaliação de Piloni, as administrações portuárias estão mais perto dos problemas e das necessidades específicas de cada local, além de ter contato próximo com potenciais investidores.

Sem se comprometer com prazos, ele coloca como um bom desafio a primeira decisão sobre delegar mais poderes para o primeiro semestre. O governador de Pernambuco, Paulo Câmara (PSB), já foi ao Ministério da Infraestrutura e também demonstrou interesse em obter autonomia para o porto de Suape, mas ainda não apresentou um pedido formal.

O secretário de Infraestrutura e Logística do Paraná, Sandro Alex, gostaria de ver o anúncio da delegação a Paranaguá como resultado dos 100 primeiros dias de governo Jair Bolsonaro. "Seria uma excelente notícia", afirma Alex.

Fonte: Valor via portos e Navios

Artigos Relacionados: Governo arrecada R$ 148 milhões com leilão de 3 áreas portuárias STF começa a julgar incidência de PIS e Cofins em importações portuárias Dez áreas portuárias serão arrendadas no primeiro semestre Tarifas portuárias são entraves para exportações, diz estudo da CNI Obra vai triplicar capacidade de exportação do Porto de Paranaguá Aprovada atualização do Regulamento de Exploração Portuária do Porto do Rio Grande Porto de Paranaguá digitaliza 100% de seus procedimentos Presidente da Codesp pede descentralização dos portos brasileiros Assinados contratos de TUPs em Paranaguá (PR) e Itacoatiara (AM) Rússia está entre os países que mais importam e exportam por Paranaguá
portos parana Infraestrutura Gestão BlogdaMac PortodeParanaguá MacLogistic

mac-logo-pos

   

       

Conheça o grupo MAC Logistic! Ficaremos honrados em atendê-los e principalmente, apoiar o desenvolvimento dos seus negócios, através de projetos logísticos customizados.

   

OFFICES

    Brazil - Head Office (55 11) 5908-4050

    Florida Office +1 305 436-5141

    Vitória Office (55 27) 2122-1777

   maclogistic@maclogistic.com

CÂMBIO

       

As operações da Mac Logistic são regidas pelas Condições Gerais de Negócios registradas no 8º Cartório Oficial de Registro de Títulos e Documentos e Civil de Pessoa Jurídica da Comarca de São Paulo sob o número 1483284.