GARANTIMOS MAIS QUE LOGÍSTICA

Head Office +55 11 5908 4050

Blog MAC Logistic

União muda regras de seguro de crédito à exportação

17-05-2018

O governo federal publicou no Diário Oficial da União (DOU) decreto que torna mais rígidos trechos da regulamentação do Seguro de Crédito à Exportação (SCE), que, em nome da União e com lastro no Fundo de Garantia à Exportação (FGE), dá cobertura às exportações nacionais contra riscos comerciais, políticos e extraordinários. Dentre as modificações, o novo texto considera risco comercial, político ou extraordinário a ser coberto pela União a inadimplência do devedor por prazo de 90 dias, contado da data do vencimento da primeira parcela não paga.

Na regulamentação anterior, esse prazo era igual ou superior a 180 dias. A nova regulamentação estabelece ainda que a garantia da União em operações de seguro de crédito à exportação incidirá sobre o valor do principal e, agora também, “sobre os juros remuneratórios” do financiamento, “acrescido dos juros remuneratórios compreendidos entre a data do inadimplemento da obrigação e o termo final do prazo para caracterização do sinistro nas hipóteses de risco de crédito”.

O texto passa ainda a considerar risco político ou extraordinário ato ou decisão das autoridades do “país do devedor” que impeça a execução do contrato garantido. O decreto anterior falava apenas em ato ou decisão de “outro país”, e não especificamente do país devedor. Além disso, agora a cobertura da União, que é concedida via Ministério da Fazenda e dentro das normas aprovadas pelo Comitê de Financiamento e Garantia das Exportações (Cofig), “poderá abranger, por meio de garantia única, operações de crédito à exportação para diferentes exportadores e importadores”.

As mudanças na norma ocorrem depois que o Palácio do Planalto teve que recorrer ao Congresso para que o FGE pudesse bancar um calote dos governos da Venezuela e de Moçambique no Bndes e no Credit Suisse. Assim, o Congresso aprovou no início do mês a abertura de R$ 1,164 bilhão para cobrir essas dívidas. A abertura do crédito suplementar foi necessária porque o FGE é o avalista das operações e, embora tivesse o dinheiro para cobrir a inadimplência, a despesa não estava prevista no Orçamento, o que impedia o desembolso.

O recurso suplementar aprovado resulta do cancelamento de verbas do Fundo de Amparo ao Trabalhado (FAT). O não pagamento da dívida com Bndes e Credit Suisse pelo FGE poderia arranhar a imagem de bom pagador do Brasil no cenário internacional, prejudicar novas exportações de empresas brasileiras, já que o FGE ficaria impedido de garantir novas operações junto a bancos até a regularização.

Fonte: Jornal do Comércio via Brazil Modal

Artigos Relacionados: Tribunal de Contas da União cobra maior eficiência nos portos Codesp altera regras para uso da Hidrovia do Porto Overbooking" afeta exportação em contêineres do Brasil no 2º semestre, diz Maersk Exportação cai 14,2% e balança comercial tem saldo de U$ 441 milhões na 4ª. semana de agosto Portaria da Secretaria de Patrimônio da União ajudará setor portuário Regras do despacho aduaneiro de importação são atualizadas pela Receita Federal Seguro de transporte internacional precisa de incentivos para crescer Portal Único: etapas de exportação devem ser concluídas no início do próximo semestre Mercosul e União Europeia podem fechar acordo de livre comércio Mudanças na fiscalização vão agilizar liberação de cargas
exportacao regras seguro

mac-logo-pos

   

       

Conheça o grupo MAC Logistic! Ficaremos honrados em atendê-los e principalmente, apoiar o desenvolvimento dos seus negócios, através de projetos logísticos customizados.

   

OFFICES

    Brazil - Head Office (55 11) 5908-4050

    Florida Office +1 305 436-5141

    Vitória Office (55 27) 2122-1777

   maclogistic@maclogistic.com

CÂMBIO

       

As operações da Mac Logistic são regidas pelas Condições Gerais de Negócios registradas no 2º Cartório Oficial de Registro de Títulos e Documentos de São Paulo sob o número 3612634.