Head Office +55 11 5908 4050
Head Office +55 11 5908 4050 | ÁREA RESTRITA

Estivadores ameaçam paralisar terminais de contêineres por 48 horas

Estivadores ameaçam paralisar terminais de contêineres por 48 horas
14/07/2016

Os estivadores devem paralisar as atividades em quatro terminais de contêineres no final de semana. A decisão foi tomada em assembleia na manhã desta quarta-feira (13). O protesto de 48 horas está marcado para ocorrer na Brasil Terminal Portuário,  Ecoporto, Libra e Santos Brasil.

Cerca de 400 trabalhadores que lotaram o auditório da sede do Sindicato dos Estivadores de Santos, São Vicente, Guarujá e Cubatão (Sindestiva) aprovaram por unanimidade o ato, caso o sindicato patronal não atenda às reivindicações da pauta da campanha salarial de 2016.

A intenção é que as atividades da estiva sejam interrompidas a partir das 7 horas de sábado (16) e retomadas apenas na manhã de segunda-feira (18).

Entretanto, esta posição ainda não é definitiva e reuniões podem mudar os planos dos portuários. Na manhã desta quinta-feira (14), o (Sindestiva) deve participar de uma audiência de conciliação no Tribunal Regional do Trabalho (TRT-SP), em São Paulo. Na sexta (15), o encontro será no Tribunal Superior do Trabalho (TST), onde também deve ser discutida a questão da vinculação.

“A categoria está aberta a negociações. Se eles colocarem na mesa uma proposta que agrade a categoria, a paralisação pode não acontecer”, garante o presidente do sindicato Rodnei Oliveira da Silva, o Nei.

Reivindicações

A categoria pede reposição inflacionária de 11,87%, além de aumento real de 10%, adicional de risco de 40% e vale-refeição de R$ 30. O valor se aplica tanto no salário dos avulsos e no dos vinculados.

Nei afirma que o sindicato patronal ofereceu correção de 9%, parcelada em duas vezes, o que não agradou aos estivadores.

Resposta

O Sindicato dos Operadores Portuários do Estado de São Paulo (Sopesp) informa que as empresas que compõem a Câmara de Contêineres do órgão estão “em pleno processo de negociação do percentual com o Sindestiva”.

Fonte: A Tribuna