Head Office +55 11 5908 4050
Head Office +55 11 5908 4050 | ÁREA RESTRITA

Dólar tem leves oscilações e busca testar patamar de R$ 3,10, após aumento de imposto

Dólar tem leves oscilações e busca testar patamar de R$ 3,10, após aumento de imposto
21/07/2017

O dólar opera em leve queda nesta sexta-feira (21), buscando testar o patamar de R$ 3,10, com o mercado animado com o governo após ter se mostrado comprometido com o cumprimento da meta fiscal deste ano, segundo a Reuters.

Às 13h19, a moeda norte-americana recuava 0,12%, a R$ 3,1230 na venda, depois de ter batido R$ 3,1108 na mínima do dia. Veja a cotação do dólar hoje.

O movimento era limitado, no entanto, por compras por parte de alguns investidores aproveitando o baixo patamar da moeda norte-americana, segundo a Reuters.

“O governo agiu para compensar a queda de arrecadação neste ano e atingir a meta (fiscal). O mercado gostou, mas agora é preciso olhar mais para a frente, para 2018 e 2019”, afirmou à Reuters o operador de câmbio da corretora H.Commcor Cleber Alessie Machado.

Na véspera, o governo elevou as alíquotas de PIS/Cofins dos combustíveis e anunciou contingenciamento adicional no Orçamento para este ano, medidas que somam R$ 16 bilhões para tentar garantir o cumprimento da meta de déficit primário.

O mercado entende que o controle das contas públicas é essencial para colocar a economia brasileira na rota de crescimento mais sustentável e o sinal emitido pelo governo, de maior austeridade, trazia conforto aos investidores.

A perspectiva de ingresso de recursos externos via abertura de capital de algumas empresas também continuava favorecendo a trajetória de baixa do dólar. Depois do Carrefour, no começo da semana, nesta sexta-feira acontece a precificação da oferta da Biotoscana.

Estão previstas ainda as aberturas de capital da empresa de tecnologia Tivit Terceirização de Processos, da operadora de planos de saúde Notre Dame, da resseguradora IRB Brasil e da geradora de energia Ômega.

O cenário externo também alimentava o bom humor. O dólar cedia ante uma cesta de moedas nesta sessão, com o euro operando nas máximas de dois anos após os investidores interpretarem que o Banco Central Europeu (BCE) não se mostrou preocupado com a força recente da divisa única.

O Banco Central brasileiro vendeu integralmente a oferta de até 8,3 mil swaps cambiais tradicionais –equivalentes à venda futura de dólares– para rolagem dos contratos que vencem em agosto. Com isso, já rolou US$ 4,150 bilhões do total de US$ 6,181 bilhões que vence no mês que vem.

Pregão anterior

Na véspera, o dólar fechou em queda, movimento que tem predominado nas últimas sessões, em sintonia com o cenário externo e favorecido por perspectivas de ingresso de recursos no Brasil.

A moeda norte-americana caiu 0,71%, vendida a R$ 3,1268, renovando a mínima desde maio (R$ 3,0955 no dia 16). Na semana e no mês, o dólar acumula queda de 1,82% e 5,61%, respectivamente. No ano, há queda de 3,78%.

Fonte: G1