Head Office +55 11 5908 4050
Head Office +55 11 5908 4050 | ÁREA RESTRITA

Forte alta das exportações fazem do Chile 5º. principal mercado para os produtos brasileiros

Forte alta das exportações fazem do Chile 5º. principal mercado para os produtos brasileiros
28/01/2019

Brasília –  Com pouco mais de 17 milhões de habitantes, o Chile tem se transformado em um dos grandes parceiros comerciais do Brasil e em 2018 o país foi o quinto maior mercado para os produtos brasileiros em todo o mundo. Com alta de 26,99% comparativamente com o ano anterior, os embarques para o país vizinho totalizaram US$ 6,389 bilhões, correspondentes a 2,66% de todo o volume exportado pelo Brasil.

Do lado das importações houve uma queda de 2,05% e os embarques chilenos para o Brasil geraram uma receita no total de US$ 3,382 bilhões, equivalentes a uma fatia de 1,87% das importações totais brasileiras.

Dados da Secretaria de Comércio Exterior (Secex) do Ministério da Economia mostram forte aumento em  todos os cinco principais produtos que lideram a lista dos bens embarcados pelo Brasil para o Chile. No caso do petróleo, a alta foi de 36,5% para US$ 2,06 bilhões, correspondentes a 32% das exportações totais para o país vizinho. Ainda mais expressivo (+66,8%) foi o aumento nas vendas de carne bovina. Em 2018 elas totalizaram US$ 466 milhões.

Igualmente impressionantes foram os aumentos registrados nos embarques de automóveis. Com a forte crise econômica que atinge a Argentina, o Chile figurou no ano passado como um crescente e promissor mercado para os automóveis brasileiros e as importações totalizaram US$ 370 milhões (aumento de 41,2%). Também cresceram as vendas de veículos de carga, com alta de 60,6% para US$ 312 milhões e de chassis para automóveis, incremento de 16,5% e receita de US$ 236 milhões.

Em relação às exportações por valor agregado, foram registrados aumentos importantes em todas as três categorias. Entre os produtos manufaturados, a alta de 21,5% contribuiu para uma receita de US$ 3,47 bilhões. Graças a esse aumento, os produtos de maior valor agregado tiveram uma participação de 54,4% nas vendas totais brasileiras para o Chile. Aumentos igualmente importantes foram registrados nos embarques de produtos básicos (+35,2% para US$ 2,81 bilhões) e semimanufaturados (aumento de 22,5% e receita no valor de US$ 99 milhões).

Do lado chileno, os principais produtos exportados para o Brasil foram catodos de cobre (US$ 1,06 bilhão e participação de 31% no total embarcado), salmões (US$ 505 milhões), minérios de cobre (US$ 322 milhões), alcoois aciclicos (US$ 170 milhões), demais produtos básicos (US$ 158 milhões) e vinhos (US$ 148 milhões). As exportações de produtos básicos tiveram uma queda de 9,9% para US$ 1,25 bilhão, as vendas de semimanufaturados cresceram 6,4% com uma receita de US$ 1,25 bilhão e os embarques de produtos manufaturados tiveram uma leve contração de 1,0% para US$ 883 milhões.

Acordo de Livre Comércio

A visita do presidente Jair Bolsonaro ao Chile deverá acontecer cerca de três meses após a assinatura, no dia 21 de novembro, do Acordo de Livre-Comércio Brasil-Chile, ao apagar das luzes do governo de Michel Temer.  O Acordo aborda 17 temas não tarifários, desde a facilitação de comércio até a eliminação de cobrança de roaming internacional para dados e telefonia móvel, comércio eletrônico, serviços, meio ambiente, emprego e gênero, defesa e cooperação econômica, entre outros.

Ao falar sobre a importância da assinatura do documento, em reunião realizada no dia 11 de dezembro, na Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan), o embaixador do Chile no Brasil, Fernando Schmidt, destacou a velocidade com que as negociações avançaram: “o tempo recorde demonstra compromisso e vontade de ambos os governos. Vamos trabalhar agora para que a ratificação do Acordo, que costuma demorar, em média cinco anos, demore apenas cinco meses”.

No tocante à facilitação de comércio, destacam-se medidas para acelerar e reduzir os custos e burocracias do comércio bilateral. Uma delas é o compromisso de avançar nos portais únicos de comércio exterior e em documentos em formato eletrônico, abolindo-se o uso do papel nas operações de comércio exterior entre os dois países.

Fonte: Comex do Brasil

Fotos: Max Besser Jirkal